faça sua denúncia....
  Home  |  Matérias  |  Expediente  |  Editorial  |  Contato    
  :::  www.anticartel.com ::: 
 

Informativo Anticartel.com (516), 26 de Maio de 2017.

 
 

SETOR DE TRANSPORTE DE VEÍCULOS NOVOS

Líder cegonheiro entrega dossiê sobre cartel e pede providências ao ministro da Justiça

Também foi solicitada maior agilidade aos inquéritos na Polícia Federal sobre incêndios criminosos em caminhões-cegonha

26/05/2017 O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Osmar Serraglio, recebeu em Brasília-DF, na quarta-feira, das mãos do presidente do Sindicato dos Cegonheiros de Goiás (Sintrave-GO), Afonso Rodrigues de Carvalho – Magayver –, cópia de um dossiê sobre as ações do cartel que controla o setor de transporte de veículos novos em todo o país. O documento, composto por cerca de 400 páginas, relata todos os acontecimentos ocorridos desde o ano de 1999. Os destaques ficaram por conta de dados revelados pelo Ministério Público Federal, apontando um prejuízo estimado em R$ 7 bilhões e de que o consumidor teria sido lesado 17 milhões de vezes nos últimos anos “por essa verdadeira organização criminosa”, segundo o líder sindical. Outros pontos salientados, dizem respeito aos inquéritos concluídos pela Polícia Federal sobre incêndios criminosos em caminhões-cegonha e a “paupérrima atuação do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) no combate ao cartel”.

Para Magayver, a luta pela abertura do mercado já chega ao seu 17º ano. “Este cartel, liderado pelos grupos econômicos Sada e Tegma, tendo como braço político o Sindicam (Sindicato Nacional dos Cegonheiros), não tem limites. Até agora as autoridades constituídas não conseguiram colocar em prática ações coercitivas capazes de conter as ações nefastas protagonizadas contra a economia e a livre concorrência”, alfinetou. Segundo o líder sindical, “o pouco que conseguimos de avanço até os dias atuais, é por conta da ação do Ministério Público Federal, com o aval da Justiça Federal do Rio Grande do Sul. Não fora isso, esses grupos econômicos continuariam a deter 100% do mercado. Graças às atitudes de integrantes do MPF, esse percentual está em 95%, o que representa quase a totalidade do mercado de transporte de veículos novos ainda nas mãos do cartel”, disse.

Estratégia – “Também aproveitamos para colocar o ministro ao par da nova situação que se avizinha”, acrescentou, referindo-se ao fato de integrantes do Sindicam estarem programando a criação de uma nova entidade para dar continuidade “ao trabalho de cooptação de carreteiros com promessas fantasiosas de ganhos milionários, o que tem levado o sindicato paulista a tomar de assalto sindicatos regionais”. Magayver revelou ao ministro Serraglio que, tendo o Sindicam sido condenado já em primeira instância por participação no cartel, e que, aliado a isso, o MPF, autor da ação está pedindo no segundo grau a extinção da entidade em todo o país, “está sendo arquitetada a criação de outra entidade para amparar politicamente o cartel”.

Violência – O presidente do Sintrave-GO pediu ainda ao ministro, maior agilidade da Polícia Federal na conclusão de inquéritos que apuram os atos violentos praticados contra os chamados carreteiros que não estão alinhados ao cartel. “Mais de duas dezenas de caminhões-cegonha foram incendiados de maneira criminosa. Em alguns casos não houve vítimas fatais por muito pouco. Por isso, solicitamos empenho do ministério da Justiça, já que a PF tem os nomes e endereços de alguns dos envolvidos, comprovadamente, nesses tipos de atos violentos que atentam contra o livre exercício da profissão dos carreteiros”, frisou.

Por fim, Magayver reclamou da “paupérrima atuação do Cade nos procedimentos que apuram infração à ordem econômica no setor de transporte de veículos novos”. Segundo relatou ao ministro Serraglio, o Cade “vem arquivando sistematicamente todos os pedidos de abertura de investigação, baseado no arquivamento de um processo em 2008. A justificativa para arquivar denúncias é sempre o mesmo: o parecer de quase 10 anos atrás”, sintetizou.

Quanto ao último assunto, o presidente dos cegonheiros de Goiás acrescentou que na Ação Civil Pública movida pelo MPF-RS que condenou a General Motors, Luiz Moan Yabiku Júnior, o Sindicam e a ANTV (Associação Nacional das Empresas Transportadoras de Veículos) por formação de cartel, “a Justiça Federal fez o trabalho que o Cade não conseguiu realizar. E o mais estranho de tudo: o Cade ingressou em juízo para não ser assistente do MPF no caso, renegando sua atribuição legal que é a de combater a formação dos carteis”, avaliou. Magayver ressaltou que trabalho semelhante no combate ao cartel está sendo realizado pelo MPF de São Bernardo do Campo-SP e pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), também de São Paulo. (Foto: Divulgação – Afonso Rodrigues de Carvalho, à direita e o ministro Osmar Serraglio)

imprime a página atual...
 
     
   ::: SUCURSAIS :::
*Salvador (BA) *Anápolis (GO) *Belo Horizonte (MG)
*Betim (MG) *Brasília (DF) *Camaçari (BA)
*Curitiba (PR) *Goiânia (GO) *Gravataí (RS)
*Porto Alegre (RS) *Porto Real (RJ) *São Paulo (SP)
*São Bernardo do Campo (SP)  
*São José dos Pinhais (PR)  
*Rio de Janeiro (RJ) Redação - NOSSO EXPEDIENTE

   

Copyright © ANTI-CARTEL  Contato   Expediente Designed by ANTI-CARTEL